I Bienal Funarte de Bandas de Música reúne mais de 300 participantes de seis estados brasileiros

Imprimir PDF



O Theatro Vasques foi palco, na tarde desta quarta-feira (21/11), para a abertura da I Bienal Funarte de Bandas de Música, que foi trazida à cidade, juntamente com o Painel Funarte de Bandas de Música. Os eventos se estendem até esta sexta-feira (23/11) e reúnem 338 participantes inscritos, de seis estados do país - São Paulo, Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro, Bahia, Pará e Pernambuco. São maestros, regentes, gestores, produtores, instrumentistas, educadores e demais profissionais ligados à bandas de música de todo o país.

Durante a abertura, o diretor de Centro da Música da Funarte e idealizador do evento, Marcos Souza, elogiou a estrutura de bandas existente na cidade e falou sobre a necessidade de haver uma conexão entre esses grupos em todo o país. “Não a toa acabamos realizando este evento aqui em Mogi das Cruzes, onde há 11 mil alunos inseridos em projetos de musicalização”, frisou.

O secretário municipal de Cultura, Mateus Sartori, destacou que a cidade está se articulando para se candidatar à Rede de Cidades Criativas da UNESCO - Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura - no segmento da música.

Conforme explica Sartori, isso requer não só mostrar a amplitude dos projetos de musicalização desenvolvidos no município, como também abordar toda a parte de pesquisa, tradição, o fato de Mogi ter a primeira partitura musical encontrada no país, de desenvolver trabalhos com grupos de cultura popular e projetos como o Musicalidade e Capoeira, de possuir o Estúdio Municipal de Áudio e Música, que já gravou 67 CDs em três anos, bem como mostrar um planejamento para os próximos dez anos.

“É um título internacional e concorridíssimo. Estamos no processo de construir indicadores, quantificar o número de pessoas que são empregadas com música na cidade e mensurar o nosso mercado. Depois entra o planejamento para os próximos dez anos, que envolve ampliações, como a inclusão do naipe de cordas no trabalho sinfônico aqui desenvolvido e também projetos, como o de trazer uma escola de luteria para a cidade, tomando como referência o Conservatório de Tatuí, que devemos visitar”, explica o secretário.

Esta escola, além de representar uma ampliação do trabalho que já é desenvolvido, significaria uma economia de R$ 80 mil a R$ 100 mil por ano, que é o montante empregado atualmente na manutenção dos instrumentos dos grupos envolvidos nos projetos de musicalização da cidade.

Também faz parte desse processo e está no planejamento para o ano de 2019 promover melhorias no Ciarte - Centro de Cidadania e Arte, que é o equipamento onde “reside” e ensaia a Orquestra Sinfônica da cidade, além de outros grupos da área musical. A ideia é facilitar a realização das aulas individuais e também melhor acomodar todos os trabalhos sinfônicos lá realizados. Os recursos para essas melhorias serão empenhados do próprio orçamento da Secretaria de Cultura.

O título de Cidade Criativa da Música garantiria à Mogi das Cruzes reconhecimento internacional e também a possibilidade de conexão com outras Cidades Criativas, de outros segmentos - no Brasil, há apenas Salvador, reconhecida como Cidade Criativa da Música e Santos, que recebeu o título de Cidade Criativa do Cinema. “Dessa forma, o município seria oficialmetne inserido em uma rede de desenvolvimento do mercado criativo”, completa o secretário.

A I Bienal Funarte de Bandas de Música se estende até esta sexta-feira (23/11) e terá atividades também no Centro Cultural de Mogi das Cruzes e no Ciarte. Além de concertos, como a apresentação da Banda Sinfônica do CEMPRE Professor José Limongi Sobrinho, que marcou a abertura do evento, a ação terá ainda mostras de trabalhos, grupos de estudo e debates sobre temas como “Educação Musical e Plano Pedagógico nas Escolinhas das Bandas”, “Gestão Administrativa as Corporações Musicais, “Políticas Públicas de Apoio às Bandas de Música” e “O Papel das Universidades no Apoio ao Desenvolvimento da Banda de Música e Banda Sinfônica”.

A I Bienal Funarte de Bandas de Música é uma realização da Fundação Nacional das Artes (Funarte) e tem apoio da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, Prefeitura Municipal de Mogi das Cruzes, Associação Orquestra Sinfônica de Mogi das Cruzes, Fundação Carlos Gomes e Escola Municipal de Música de São Paulo. (Lívia de Sá)